domingo, 26 de novembro de 2017

Drama sindical, o que antes, era bandeira de luta, agora, é a vez de praticar pra sobreviver.


COM FIM DE CONTRIBUIÇÃO, SINDICATOS DEMITEM E CORTAM CUSTOS.

O governo extinguiu a contribuição sindical com a reforma trabalhista, e com isso, cerca de um terço dos recursos dessas entidades; com verba escassa, eles têm demitido e vendido ativos; até 2018, 100 mil trabalhadores diretos e indiretos devem ser afetados, estima o Dieese.

247 - Embora tenha prometido o oposto aos sindicalistas, o governo Temer extinguiu a contribuição sindical com a reforma trabalhista, e com isso, cerca de um terço dos recursos dessas entidades.

Para se adequar à nova realidade, de verba escassa, os sindicatos têm demitido e vendido ativos, aponta reportagem do Estadão. Até 2018, 100 mil trabalhadores diretos e indiretos devem ser afetados, estima o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).


Pode até causar espanto, mas, esses 300 mil trabalhadores, resultam da grande quantidade de organizações sindicais, o crescimento se deu contrariando também a lógica da critica à quantidade de partidos políticos. Uma sigla sindical em âmbito nacional, e mais 27, em nível de Estado, mas, as contidas nos municípios, se sincronizadas, fariam muito bem a defesa da classe.

"A estrutura sindical reúne cerca de 300 mil trabalhadores em todo o País, segundo o Dieese.
Desse total, 115 mil são funcionários diretos e o restante presta serviços às entidades. Os cortes devem ser diluídos no próximo mês e ao longo do ano que vem. Mas eles já começaram.

Nenhum comentário:

Postar um comentário