sexta-feira, 25 de julho de 2014

Quando o povo chama....

                  

Como surgiu o interesse pela política participativa?    
Mara - Bem, quando você é criança, e você é orientada a saber dividir o pouco que tinha com as pessoas que estavam necessitando você  acaba criando esse vinculo, que eu acho assim muito salutar, não dividir o que sobra, mas, dividir o que se tem dando ao outro o que ele precisa; Então nesse aspecto eu comecei a ter essa visão social com a minha mãe, que era uma mulher muito generosa, uma mulher que muito me orgulha, então somos uma família de muitas mulheres, e todas nós, todas , absolutamente todas trabalhamos. Na fase de adolescência, já participávamos de grêmios estudantis nas escolas e eu sempre fazia com que todas as reivindicações dos estudantes pudessem ser ouvidas pelas autoridades escolares, sempre participando ativa e cuidadosamente,  então qualquer forma que eu pudesse auxiliar eu estava sempre presente, acho que isso é uma coisa minha, nasce de dentro de mim. Política Partidária..? Mara - Então, quando eu ceguei aqui no maranhão,  a primeira vez que eu participei de um pleito eleitoral  foi na primeira candidatura do deputado Madeira e depois para prefeito, eu lembro que  Cid Carvalho, me notou no meio da multidão e disse para mim assim: eu tenho certeza que você ainda vai ser uma grande liderança aqui em Imperatriz e região,  e eu achei graça. Depois vim a militar dentro do Partido Democrático Trabalhista - PDT, no qual creio ter sido a primeira mulher presidente do partido em Imperatriz, nós fizemos um trabalho, aqui não quero citar nomes, mas, foi um trabalho de grupo e que nós elevamos o nome de Dr. Jackson Lago (In-memoria) um nome de grande expoente na cidade de Imperatriz;  Eu hoje ouço pessoas dizerem: porque que Jackson teve um eleitorado tão fiel em nossa região?  Eu digo que esse grupo era de pessoas que amam Imperatriz, então ele viu nossa cidade por esta ótica e a partir disso ele também teve esse amor e, quando agente é amado, há reciprocidade, veja que a cidade também respondeu com o mesmo amor a ele,  porque se sentiu amada pela primeira vez, correspondeu nas urnas, e foi uma questão de amor recíproco, digno de confiança. http://antonioemcontexto.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário